Sete filmes, sete histórias fabulosas, um universo animado maravilhoso, inteligente e pleno de aventura, emoção e poesia. Filmes em antestreia para pequenos e grandes e três verdadeiras pérolas de Jean-François Laguionie, com uma carta branca ao realizador.

Premiado com a palma de ouro no festival de Cannes em 1978, Jean-François Laguionie, apresenta no seu percurso enquanto realizador, um trabalho minucioso e delicado, utilizando, por vezes, a técnica do papel recortado e animado directamente sob a câmara, o que faz com o que seu traço, suave e expressivo, seja tão característico do autor.

O encontro de Laguionie com Paul Grimault terá sido especial e determinante para o decorrer dos seu trabalho. Foi no atelier de Grimault que Jean-François Laguionie realizou as suas 3 primeiras curtas-metragens. Em 1979, fundou o seu próprio estúdio, La Fabrique, com uma pequena equipa de autores realizadores de curtas de renome, para embarcar na grande aventura de uma primeira longa-metragem Gwen, et le livre de sable.

Afastou-se da realização durante uns tempos mas regressou com mais duas longas: Le Château des Singes, primeiro filme para crianças, em 1999, e L’île de Black Mor em 2004.

Este ano, apresenta Le tableau, que, através de uma multiplicidade de cores e uma maravilhosa diversidade de cenários, evoca o racismo e as desigualdades sociais, através das várias personagens de uma pintura, que evolui do esquiço ao quadro final.

Mas há mais! Vamos poder deliciar-nos com a doçura de Zarafa, a incrível história da primeira girafa a pisar solo francês, entrar no mundo de Laurent e Jung, com Couleur de peau: miel, num retrato autobiográfico cheio de emoção, humor e poesia, e, ainda, viajar pelo fantástico país do Pai Natal, com L’Apprenti Père Noël!